Bem-vindos a este espaço de partilha de todos para todos

Google+ Followers

domingo, 3 de setembro de 2017

"A maior doença da humanidade"



Ao pertinente pensamento de Gandhi, vale acrescentar que o egoísmo é a “mãe” de outros comportamentos que são o ácido que corrói a maturidade consciencial da humanidade, a involução actual, e até a sua existência futura.
Sobre o respeito e a compaixão para com os animais, vale lembrar que uma civilização é feita de crianças que se tornam homens e mulheres cuja actuação será sempre baseada nos exemplos que absorve enquanto criança, na família, nos vizinhos, na escola, e também pelo que vê nas “boutiques da carne” onde se expõem à vista de todos cadáveres ou pedaços destes, ainda com os sinais visíveis e a vibração da tortura e o horror a que foram sujeitos na vida e na morte, na mais vil agressão que um ser “dito” consciente pode infligir a outro consciente também, mas em graus diferenciados. A isto chamam industria da alimentação, que, comprovadamente, é um vício de alimentação dado que a carne não é essencial à alimentação humana.
Humanos que crescem no meio da barbárie para com os animais como vivência social comum, normal, obviamente catapultarão esse comportamento para o futuro. Destes, sairá ainda uma percentagem cuja normose será ainda agravada por outros factores psíquicos e educacionais que os levarão à sociopatia e psicopatia nos quais se inserem em graus variados aqueles que se regozijam com a tortura dos animais nas arenas, na caça como desporto, nas lutas de animais, nos circos, nos programas televisivos onde animais de terra ou mar se debatem em sofrimento ao serem pescados, caçados etc. etc,..
Sejamos proactivos, mas que esta seja pela via da coerência. É o nosso terrível egoísmo nos comportamentos de consumo e postura de hoje, o responsável de, no futuro, seja o comportamento humanístico ou ignóbil dos que agora nos observam, as nossas crianças… o que estamos a fazer delas?

Haja coerência

Maria Adelina



Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja Bem-Vindo