Bem-vindos a este espaço de partilha de todos para todos

Google+ Followers

terça-feira, 31 de outubro de 2017

SAUDADE DO MEU PAÍS!





Era um tarde de um dia de semana. No meu escritório de um 7º andar de uma das ruas mais movimentadas do Porto, aguardava pelas 15h00 enquanto trabalhava, sentindo uma expectativa crescente sobre o que iria acontecer: irão as pessoas aderir? Uns minutos antes daquela hora parei de teclar e dirigi-me ao terraço fantástico que ficava nas alturas, de onde avistava uma paisagem que se prolongava no olhar por terras vizinhas. Mas logo ali, debaixo e bem mais perto do meu olhar, estava a Rua Fernandes Tomás, na sua azáfama e frenesim habitual, de pessoas e carros, cujo movimento era ritmado pelas buzinas e palavrões dos mais impacientes. Irão parar?
Às 15h00 em ponto os carros, um a um começaram a parar na rua. Os seus condutores abriram as portas e puseram-se ao seu lado, numa atitude de respeito e de introspecção, como se depreendia do seu queixo apontado ao chão. Pelos passeios, uma amoldura de pessoas apressadas, que subitamente suspendeu o próximo passo e se quedou no passeio, com o queixo apontado na mesma direcção. Foram 3 minutos em que não se ouviram buzinadelas, nem o tão afamado calão portuense, vindo de alguma garganta apressada e mais distraída, alheada do que ali se passava. Este cenário repetiu-se por todo o país durante 3 minutos, durante os quais os Portugueses mostraram a sua solidariedade com o Povo irmão de Timor, que era massacrado nos écrans das nossas televisões e dava os últimos Gritos de Ipiranga, para alcançar a tão desejada liberdade e independência.
Hoje pergunto com saudade: para onde foi este meu País? Para onde foi o país dos destemidos e inconformados marinheiros, Infantes, povo incógnito, que encheu caravelas? Terá zarpado com os portugueses que emigraram, inconformados com o país que não lhes proporciona trabalho com salário digno? Serão esses que ainda carregam o gene do inconformismo e da luta destemida, aventurando-se por mares e terras desconhecidas, à procura do pão que o seu país lhes nega?
Em Espanha morreram cerca de 40 pessoas num incêndio, na mesma altura em que por cá se ultrapassava a fasquia da centena. Lá saíram logo à rua, sem esperarem pelas redes sociais, e nas ruas ficou bem claro que não iriam tolerar outro desastre igual. Na Islândia um Povo cercou durante três dias o parlamento com panelas, até o governo que queria assumir os prejuízos dos bancos se demitir. Por cá “tá-se bem!”. Morrem compatriotas nossos numa estrada, que podia ser a estrada de um passeio de fim-de-semana de qualquer um de nós, e continua-se com a vidinha do costume! Lá se faz uma chamada de valor acrescentado, vamos a um concerto para festejar a tragédia, aliviamos a consciência e “tá-se bem!”.
No dia a seguir continuamos a ver o autocarro povoado de autómatos com fones nos ouvidos, a ver um país que não exercita os neurónios, porque pensa pelos comentadores de serviço, sobrevivendo na vidinha do dia-a-dia, aliados do sofrimento das imagens dos rostos que nos entram na sala pela televisão, que perderam tudo, levado pelo fogo. Até o Pinhal do Rei não escapou desta vez!

E dou por mim a pensar: que saudades do meu país que ficou algures perdido naqueles três minutos, de uma tarde longínqua! A minha esperança é que um dia destes o encontre ao virar da esquina e lhe diga com a saudade que um velho amigo nos faz sentir: já fazias falta! Ainda bem que voltaste!


Marta Sobral



Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja Bem-Vindo