Bem-vindos a este espaço de partilha de todos para todos

Google+ Followers

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

O Turismo e as Lentes Embaciadas -



De não sei que mar, chegou uma onda de rejeição ao turismo que se estende por vários países europeus. Pergunto-me que critérios fomentam esta estranha aversão ao turismo e aos turistas obviamente, e a conclusão é algo complexa mas da qual podemos retirar grandes e proveitosas ilações, e lições práticas, para um renascimento da sociedade e do mundo.

Façamos então uma introspecção “naif” , cuja aspiração é apenas dar um “toque de alvorada” de honesta reflexão sobre a nossa responsabilidade individual como usuários/consumidores e a daqueles que promovem/licenciam este estado de coisas.

“Turista” é o que vai fazer a um país, cidade, lugar, aquilo que normalmente não faz no seu, seja o bom, seja o mau, está de passagem e como tal sente-se desresponsabilizado.
- O turismo “pé rapado” de moral e civismo que invade cidades costeiras no Verão, suja, conspurca, embebeda-se, faz desacatos dia e noite causando problemas aos residentes habituais. Lembremos que residentes, são famílias, crianças, que são expostas a estes comportamentos e os vão assimilando, por um suposto benefício de desenvolvimento económico que como sabemos nunca chega a eles…
- O turismo endinheirado que se desloca para os mais exóticos lugares do mundo e cujos divertimentos são os safaris de caça, a pesca desportiva, o turismo sexual e outros, com níveis variados de gravidade e ofensa à poluição dos mares com os combustíveis e dejectos dos barcos, ao habitat dos animais em África cujo stress (quando não mortandade) é notório nestas reservas “turísticas” e o mais aberrante, o da compra de seres humanos (muitas crianças ainda) para satisfação da monstruosa perversidade de que são feitos estes “turistas”
- Pelo turismo são as corridas aéreas tipo” Red Bull Air Race” com a sua tremenda poluição do ar, sonora, e circulação nas cidades. Sabem o custo deste evento? Seis milhões de euros, exacto leu bem…num país tão carenciado como Portugal por exemplo, sabe o quanto se podia fazer com este valor? Ou os Rali Dakar, será possível imaginar os danos ecológicos e da preservação e respeito pelas culturas nativas por onde circulam estes amantes da adrenalina? Com que fim? Que querem provar?
- Pelo turismo se promovem a tortura de touros numa arena – as lutas de animais – e as lutas de homens como no boxe onde se expõe a mais profunda bestialidade a que chamam “desporto”.
- Pelo turismo se conspurcam áreas naturais, reservas, para a construção dos “coliseus do agora” os mega recintos onde a música com frequências Hz muito além do aceitável para o cérebro humano provocam a alienação de milhões de jovens.

Outros exemplos de trazer por casa…
- Turistas são os milhares de pessoas, essencialmente jovens, que invadem as cidades (o Porto concretamente) à noite, principalmente aos fins-de-semana onde o centro das mesmas se tornaram antros de “diversão”… zonas históricas, prédios antigos, ruas tradicionais, moradores de longa data, mas, maioritariamente famílias de parcos recursos, humildes, trabalhadores, que viram a sua vida perturbada pela invasão dos bares, dos pub`s, das discotecas, das tascas, onde circula a alienação pelo álcool, pela droga, pela prostituição…e pelo ruído contínuo, que impede o essencial descanso nocturno. Incapazes de fazerem valer os seus mais básicos direitos, sabe quantas famílias, casais idosos, foram forçados a mudar de casa? Muitos…mas uma só seria demais…

Cada uma das situações exemplificadas rege-se pela norma mais básica da oferta e da procura, tantos e aberrantes comportamentos só existem porque a procura fomentou a oferta, e a procura é a massa humana a que todos pertencemos, directa ou indirectamente pensemos na nossa co-responsabilidade na existência e permanência destas situações, porque meus amigos omissão, silenciar, é permitir é concordar!

Somos nós os responsáveis pelo que os políticos criam e fomentam! Somos responsáveis ao omitirmo-nos dos nossos deveres cívicos, sociais, como por exemplo organizar comissões de moradores, de pais, de cidadãos, unidos em número suficiente para fazermos ouvir a nossa voz e dizer NÃO!

Somos responsáveis pela permissão dentro dos nossos lares da alienação via televisão, os programas de futebol que ocupam os canais em simultâneo em horários nobres e por tantos outros programas cujos conteúdos estão a fazer regredir a razão, o humanismo, a empatia, na raça que nos foi dada como meio evolutivo.

A melhor prova de tudo isto é que como “turistas cósmicos” que todos somos, em poucos séculos destruímos o nosso planeta/mãe, a Terra que agora se prepara para nos expulsar.

Por favor…vamos limpar as lentes, porque o reflexo do que vemos é um espelho.

Haja lucidez,  auto - honestidade, e  acção, que o tempo esgota-se…

Maria Adelina


1 comentário:

  1. Exactamente. Bem-haja pela reflexão! Dia 31 nas virtudes, um encontro de cidadãos para se conversar sobre que acções concretas a tomar para colocar um travão ao turismo sugador e desenfreado, que desrespeitas as gentes, as culturas e os espaços!
    https://www.facebook.com/events/1426327694147987

    ResponderEliminar

Seja Bem-Vindo