Bem-vindos a este espaço de partilha de todos para todos

Google+ Followers

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

"O céu é dos simples"





 "O céu é dos simples"
                                                                         








Reflectindo sobre o comentário,  esse "simples" tem várias interpretações, mas todas têm como ponto comum uma base de inocência que foi e é conspurcada a todo instante.

O facilitismo da "informação" invade, sem critério, sabedoria ou respeito, em larga escala, abusivamente, os olhos, ouvidos e mentes de todos, sem escolha de idade, capacitação, ou nível de inocência.

A maioria dos programas televisivos - 
O conteúdo boçal, narcisístico e fútil, das redes sociais - 
A violência de alguns desportos - 
As más tradições, entre outros, são a peste que infecta toda a humanidade.

Reparemos que esta onda chega aos locais mais remotos e protegidos do planeta!  Os simples, os inocentes, mas também, os indecisos, os carentes, os frustrados, os ambiciosos, os preguiçosos, absorvem, sem esforço algum, estes ilusórios modelos de SER. 

O antídoto para a praga está ao alcance de todos, requer apenas o esforço de "querer", do estudo e aplicação da cultura/meio de cada um. Mas para isso é preciso fazer uso do conceito chave que esta onda visa destruir que é o uso da vontade própria. Como pode uma árvore crescer direita se atingida diariamente por um vendaval unidireccional?

Num mundo dual e de cariz experiencial como é o planeta Terra, o conceito de “simples” deve ser preservado como uma jóia preciosa na fusão e transcendência da dualidade pelo exercício de escolhas pessoais, lúcidas, que apenas podem ser praticadas pela via do conhecimento e dos opostos. Para tal é imperativo percebermos que nos deixamos levar para um jogo onde os dados estão viciados, em que de forma directa ou sublimar e porque é fácil e cómodo, nos induzem opções massificadas.

O contraponto reside num simples exercício (mas que requer esforço), o de analisar continuamente as nossas escolhas desde o pensamento à acção e aferir o quanto elas têm, realmente, de nosso.


Maria Adelina de Jesus Lopes



Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja Bem-Vindo